Domingo, 05 de Dezembro de 2021 14:04
61996377502
Notícias Saúde

Moléculas contra Doença de Chagas ajudam no combate a Covid-19, diz USP

Compostos desenvolvidos no IQSC poderão ser testados em animais infectados pelo novo coronavírus

15/11/2021 13h30
Por: Vítor Tobias
Foto: Henrique Fontes/IQSC
Foto: Henrique Fontes/IQSC

Um estudo brasileiro, revelou que 10 moléculas estudadas para o combate da Doença de Chagas mostraram-se 100% eficazes para tratar células infectadas pelo novo coronavírus.

O trabalho inédito é de pesquisadores do Instituto de Química de São Carlos (IQSC), da Universidade de São Paulo (USP).

Com os testes sendo iniciados na fase pré-clínica, os responsáveis pelo estudo acreditam que um novo tratamento pode surgir em breve.

“Em menos de dois anos, já conseguimos criar condições para avançar com essas moléculas para testes in vivo”, explicou o professor Carlos Alberto Montanari, coordenador da pesquisa, em nota enviada ao Só Notícia Boa pela USP.

Carlos também vê na pesquisa, uma grande oportunidade de desenvolver tratamentos brasileiros eficazes para o vírus. “Precisamos desenvolver massa crítica e mão-de-obra nacionais para sermos independentes no desenvolvimento de fármacos e de insumos”, afirma.

O estudo

Em testes realizados em laboratórios onde o vírus está isolado, os cientistas observaram que, além de eliminar integralmente o SARS-CoV-2, as substâncias não geraram efeitos adversos para as células.

Para os especialistas, essas moléculas conseguem interromper o ciclo biológico do coronavírus na célula, evitando que ele se replique no organismo da pessoa infectada.

Durante os testes, as moléculas foram testadas em células de câncer de pulmão humano infectadas pelo SARS-CoV-2. Alguns dos compostos conseguiram eliminar totalmente o novo coronavírus de células que apresentavam carga viral baixa e moderada.

Houve também uma boa resposta de uma das substâncias, em especial, contra carga viral elevada, apresentando resultados similares ao fármaco que está sendo desenvolvido pela Pfizer, que se encontra na fase clínica de estudos.

Apoio

Os cientistas agora procuram novas parcerias e investimentos para que o estudo continue e comece a etapa de testes com animais.

A pesquisa conta atualmente com financiamento da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo, por meio do projeto Planejamento molecular e síntese de inibidores da principal protease do coronavírus SARS-CoV-2 Mpro.

*Com informações do portal Só Notícia Boa.

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias